"Atualmente todos vivemos em um mundo dominado pelas máquinas. Quase não restam em nosso deteriorado planeta espaços livres, onde possamos esquecer nossa sociedade industrial e testar, sem sermos incomodados, nossas faculdades e energias primitivas. Em todos nós se esconde uma saudade do estado primogênito, com o qual podíamos calibrar-nos com a natureza e enfrentá-la, descobrindo a nós mesmos. Aqui está basicamente a razão de não haver para mim uma meta mais fascinante que esta: Um homem e uma montanha. "

(Reinhold Messner)

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Os barrancos e a geologia!

Voltando aqui, fugindo um pouco das montanhas e trilhas, vou contar um pouco de última aula de campo de geologia, afinal está também relacionado com ambientes naturais. Pensei em discorrer sobre outros assutos nessa mesma postagem, mas ao escrever sobre a aula de campo, vi que tinha coisas suficientes para falar e resolvi não misturar as coisas, de qualquer maneira  vou escrever de um jeito bem simples sobre a geologia.
  Afloramento de mármore.
A aula de campo de geologia geral do dia 22/05/11, passou por vários lugares na direção de Campo Magro e Bateias, como a parada da geologia são as rochas, passamos por afloramentos, ou pedreiras, de todos os tipos. A foto acima, é de um dos lugares, se não me engano em Bateias, pelo qual passamos, e o mais bonito. o afloramento tinha paredões enormes de mármore em volta de um lago de cor verde beem clara, muito bonita. Junto aos paredões de mármore, haviam também diques de uns 6 metros de altura, que tentando sair do geologuês são porções de magma que sobem  e cristalizam na crosta e após erosão aparecem na suerfície, bem mais ou menos isso, se é que deu para entender. Tudo isso junto formou uma bela paisagem para qualquer um, geólogo ou não. Tanto que encontramos parceiros, ou não tão parceiros, mas alguns jipeiros chegaram depois e começaram a fazer um churrasco em volta do lago, e chegou também outras pessoas da região, algumas talvez não tão educadas e agradáveis, talvez pelo efeito do álcool, haha, mas correu tudo bem para nós.

 
                  Dique                                                       Lago com água verda azulada beem clara

Além dessa paisagem, paramos em vários outros pontos, passando por afloramentos ígneos, sedimentares e metamórficos. Em outra parada de alforamento metamórfico, a grande atração foi as amostras de filito, uma amostra muito bonita por ter um brilho sedoso, no afloramento era um brilho prateado, e nessa caso com piritas inscrustadas, um mineral metálico dourado, o conhecido "ouro de tolo". Eu e tda a turma, colhemos várias amostras para enfeitar a casa hhaha. 

Passamos também por lugares que para qualquer pessoa seria um barranco no meio da estrada, mas para nós eram afloramentos de rochas ígneas, metamórficas e sedimentares, com várias estruturas como falhas geológicas, passamos sobre a Falha da Lancinha, uma falha gigantesca no Paraná, fraturas, dobramentos etc. na geologia, coisas fantásticas. =)

Saímos da universidade às 8 horas e voltamos perto das 19h, e mesmo assim, faltaram locais a serem observados, como um afloramento em São Luiz do Purunã, e por causa disso, teremos outra aula de campo para ver esses pontos!

Não vou especificar muito sobre a parte geológica, mas as aulas de campo são sempre muito interessantes, divertidas, e cheias de natureza e coisas fundamentais para quem gosta e quer entender o planeta Terra. 

Mas apesar de legais, não se enganem, as aulas de campo também cansam bastante, pois são feitas análises, croquis, medições com bússola de geólogo, e no final de tudo um relatório bem feito e detalhado. Então  merecem no fim  uma boa cerveja, uma porção de batatas e muita conversa... hahaha
                                                                   Afloramento de filito

Filito-Rocha metamórfica

 Dique-formação à esuqerda, e Mármore à direita


 Afloramento de granito do Cerne


Afloramento de filito com pirita incrustada 

2 comentários: