"Atualmente todos vivemos em um mundo dominado pelas máquinas. Quase não restam em nosso deteriorado planeta espaços livres, onde possamos esquecer nossa sociedade industrial e testar, sem sermos incomodados, nossas faculdades e energias primitivas. Em todos nós se esconde uma saudade do estado primogênito, com o qual podíamos calibrar-nos com a natureza e enfrentá-la, descobrindo a nós mesmos. Aqui está basicamente a razão de não haver para mim uma meta mais fascinante que esta: Um homem e uma montanha. "

(Reinhold Messner)

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Everest - O diário de uma vitória


 Olá, hoje vou colocar aqui uma sugestão de leitura pra quem curte montanhismo e aventura!
O livro "Everest - O Diário de uma Vitória" de Waldemar Niclevicz, editora Sagarmatha, é de 1995, data em que o montanhista de Foz do Iguaçu, mas que morou boa parte de sua vida em Curitiba, e iniciou-se no mundo do montanhismo através da Serra do Mar, e foi  juntamente com Mozart Catão do Rio de Janeiro, os primeiros brasileiros a alcançar o cume do Monte Everest, montanha mais alta do mundo com 8848m, fazendo parte de cordilheira do Himalaia, na divisa do Nepal com o Tibete (hoje incorporado a China). E só para esclarecer, Mozart Catão foi sim o parceiro de Niclevicz na subida ao Everest e eles dividiram o mérito sim, mas ao contrário do que muitos pensam eles não eram uma dupla que sempre escalou junto, e antes do Everest eles mal se conheciam, mas durante a subida formaram a dupla mais bem preparada da equipe. Mozart faleceu em 1998 em uma avalanche na face Sul do Aconcágua - Argentina.
Foi o último livro que li, e até hoje o mais empolgante e que mais me envolveu. Não é nenhum romance, não tem fantasia  nem ficção, mas se passa no lugar mais fantástico da Terra e faz o leitor se sentir no Himalaia a cada linha, pra quem curte montanhismo é realmente um livro apaixonante que te faz esquecer de tudo quando está lendo. O livro é um relato do próprio alpinista W. Niclevicz, sobre a 2ª vez que esteve na montanha, na 1ª vez ele subiu pelo lado nepalês e chegou a 8504m, mas por falta de equipamento e organização adequada não alcançou o cume, em 1991.
Em seu retorno em 1995, Nicleviz vai com uma expedição de 16 alpinistas, liderada pelo britânico Henry Todd, com o objetivo de alcançar o cume pelo Tibete, a face norte, e a mais difícil tecnicamente.
No livro Niclevicz conta muito mais do que o relato da subida, passa para o leitor todo o universo nepalês com seus costumes, visita as stupas (espécies de templos budistas), apresenta o lado hindu e conta diversas histórias e tradições do povo que venera o Sagarmatha, nome em nepali do Everest, que significa "O Teto do Céu". Também registra diversas histórias e aspectos da terra de Dalai Lama e seu povo tibetano, que chama o Everest de Comolungma - " A Deusa mãe do mundo", fazendo com que o leitor fique se remoendo de vontade de visitar esses países (hoje o Tibete faz parte da República da China). Ao longo do livro texto, vem também imagens feitas pelo prórpio Waldemar, que além de registrar a subida em seu diário também tira fotos e filma a expedição, depois lançando o livro "Everest - Sagarmatha - Chomolungma " de fotografias e o VHS com o mesmo nome do livro texto. Assim, a vontade aumenta ainda mais, as fotos do povo oriental são fantásticas e as das paisagens do Himalaia então, dão até um calafrio ao serem vistas.
 livro texto
 livro de fotografias



Eu adquiri o livro texto e o livro de fotografias, os dois são incrivelmente fantásticos e ainda pretendo adquirir a versão em vídeo, para me sentir ainda mais próxima do teto do céu.
Niclevicz documenta cada dia dos quase 3 meses que passa viajando em busca do cume do mundo, entre 8 de março de 1995 e 30 de maio de 1995, em que no dia 14 de maio as 11h22min finalmente alcança o cume do Everest e passa certamente a melhor sensação que se pode sentir no mundo para o leitor, que se for como eu se emocionará também!
Com o livro além de boas sensações se aprende muito sobre a cultura dos povos orientais, sobre técnicas de alpinismo, sobre as sensações sob o ar rarefeito , as formas de aclimatação etc. Quem curte montanhismo certamente vai adorar e eu recomendo com 100% de aprovação, só cuidado, porque você pode ficar louco querendo subir o Everest, como aconteceu comigo! Termino com a citação:

Estou fora de todas as minhas prisões.
Estou livre de todos os meus desejos.
Estou sem nada, neste mundo que quer que eu tenha tudo.
Minha vida é o que me satisfaz. 
[...]
A montanha é o meu caminho e eu não voltarei atrás. 
As pedras vão surgir, o gelo, o vento...
Mas o meu amor, a minha honra, o meu sofrimento me levará à minha maior conquista; a minha própria liberdade. 
Waldemar Niclevicz

2 comentários:

  1. Nao li esse, mas um muito bom é "everest a viajem a montanha sagrada" de Thomas Brandolin! vale a pena conta descreve a primeira expedição brasileira para o everest!!

    ResponderExcluir
  2. Opa, massa Nico! não conheço esse tbm, vo pesquisar ctza, amo esses livros!
    valeu! =D

    ResponderExcluir